Análise: Como Macron destruiu seu legado na França | CNN Brasil

4 dias voltar
Franca

Parece que foi há tanto tempo. Emmanuel Macron subiu ao palco em 2017, com um andar jovial e uma entusiasmo inabalável em seu discurso de vitória: a grande entrada para sua presidência.

Franca - Figure 1
Foto CNN Brasil

Ele prometeu ser a figura de centro esperançosa para a França após anos de divisão, o líder reformista que levaria o país à frente nos negócios globais. Agora, ele está confrontando o que, sem dúvida, será seu verdadeiro legado: Macron facilitou o avanço da extrema-direita na França.

Depois de uma grande perda nas eleições do Parlamento Europeu em maio, sua escolha de realizar uma eleição antes do previsto provou ser, pelo menos em parte, contraproducente.

Num desfecho inesperado, a Nova Frente Popular (NFP), formada por diversos partidos de esquerda, conquistou 182 cadeiras na Assembleia Nacional, ficando aquém da maioria, porém à frente tanto da aliança centrista de Macron quanto da extrema-direita.

Era largamente esperado que o bloco de extrema-direita saísse vitorioso em primeiro lugar, no entanto, uma ação em todo o país para combatê-lo, com candidatos de esquerda e centro se retirando para concentrar os votos contra, obteve êxito.

É um alívio para Macron escapar de ter que colaborar à força com um primeiro-ministro de extrema-direita. No entanto, enfrenta agora o caos político de um parlamento sem maioria absoluta, o que contrasta fortemente com a esmagadora vitória que alcançou em 2017.

Corajoso é como vários descreveram sua rápida chegada à presidência da França; prepotente é como muitos atualmente enxergam seu declínio, comparado ao de Ícaro. Macron destruiu a estrutura da política francesa em sua rápida ascensão ao Palácio do Eliseu.

Fundando um partido de centro a partir de ideologias políticas divergentes, sua ampla vitória em 2017 - mesmo após uma breve passagem como ministro do governo - o colocou em posição de dominar o cenário político, buscando conciliar políticas anti-imigração com medidas de proteção ambiental e políticas sociais mais flexíveis em termos fiscais.

Franca - Figure 2
Foto CNN Brasil

Com Macron consolidando seu poder no centro, houve uma expansão dos extremos políticos. Isso levou a uma polarização das abordagens políticas - desde a desvalorização do secularismo francês sagrado pela esquerda até a repressão das "ideologias islamistas" pela direita - e uma divisão intensa e dolorosa na sociedade francesa.

A sua ascensão política foi fulgurante, porém agora está desmoronando. Este é o desfecho da sua própria trajetória.

Amor Ou ódio: Uma Relação Complicada

Sem nunca se acovardar diante de um desafio árduo, no começo de seu mandato ele se dedicou intensamente ao seu plano de reforma: reduzindo impostos para os mais ricos e elevando os preços do diesel. As medidas eram típicas do estilo Macron: economicamente sólidas, focadas no setor empresarial e pouco divulgadas.

A resposta do público também se tornou característica para Macron: uma explosão de revolta nas ruas da França.

O aumento do tributo sobre o diesel provocou as maiores manifestações que a França experimentou em muitos anos. O movimento dos "coletes amarelos" tomou conta do país em 2018, levando milhares de cidadãos franceses para as ruas, desafiando a repressão policial e conseguindo paralisar a agenda política do país.

"Penso que nenhum país progride sem levar em consideração também essa parte legítima de raiva do nosso povo", afirmou ele, alguns meses após o início das manifestações. "Acredito que esses sentimentos são conciliáveis e é isso que estamos buscando".

Agentes policiais próximos a um incêndio durante manifestação contra a reforma da Previdência na França / 11/02/2023 REUTERS/Yves Herman. Foi o mais longo protesto nas ruas em cinco décadas, mas Macron finalmente reconheceu a indignação dos coletes amarelos, ou gilets jaunes.

Um ministro da economia que antes era banqueiro e possui pouca experiência relevante para a realidade francesa apostou em uma estratégia ousada de comunicação: realizou uma turnê por todo o país, visitando diversos municípios para ouvir e ser ouvido. No passado, foi criticado por sua falta de empatia, mas agora se mostrou humilde e disposto a dialogar com a população.

Franca - Figure 3
Foto CNN Brasil

Então a Covid-19 chegou. Macron optou por uma estratégia radical, com um dos lockdowns mais severos da Europa, em ciclos sucessivos, e um rigoroso plano de vacinação.

"Declaramos guerra", afirmou ele à população em março de 2020. "A qualquer momento, precisamos manter o foco nisso sem nos deixar distrair."

Após o término da pandemia, ele passou a adotar um pensamento parecido, em meio à luta da economia global para se reerguer e às tensões em relação à Ucrânia que colocavam em risco o crescimento econômico.

Macron investiu pesadamente para proteger as empresas e consumidores franceses dos aumentos drásticos nos preços da energia, logo após os grandes gastos feitos após a pandemia. Até 2024, a França tinha um dos maiores déficits da zona do euro, porém o ex-ministro da economia conseguiu atingir seus objetivos.

Estima-se que a economia da França cresça 0,7% em 2024 e ganhe força no ano seguinte, demonstrando uma notável resiliência desde o início da pandemia. Além disso, prevê-se uma significativa queda na inflação.

Macron e seus seguidores destacam sua trajetória econômica como razão válida para votar nele. No entanto, os franceses geralmente não são tão benevolentes com seus presidentes em cargo - a gratidão é escassa.

Atualmente, a popularidade de Macron está em 30%, bem abaixo dos quase 50% que tinha quando foi eleito, no entanto, sua taxa de rejeição (agora em 65%) não diminuiu dos 50% desde os primeiros meses no cargo, de acordo com uma pesquisa Ipsos-Le Point.

Os franceses têm uma relação de amor e ódio com seus políticos e Macron não foge à regra. A restrição constitucional de dois mandatos no país impede que Macron concorra à presidência novamente em 2027.

Um membro do partido de Macron afirmou que a insatisfação popular com o presidente francês foi causada pela sua alta visibilidade no comando do país, demonstrando que seus quatro primeiros-ministros estavam completamente alinhados com as suas orientações.

Franca - Figure 4
Foto CNN Brasil

Um parlamentar, que preferiu não se identificar, comentou que durante seus dois mandatos de cinco anos, ele se destacou pela sua grande atuação, ao contrário de outros presidentes que se mantinham em segundo plano e delegavam tudo ao primeiro-ministro. Ele ressaltou que os primeiros-ministros pareciam ser muito dependentes dele.

Em meio a pressões em sua residência, ele apreciava assumir o papel de líder político, seja unindo apoio ao projeto europeu ou confrontando adversários combativos, como Putin ou Trump. Ele defendia a soberania militar e industrial da Europa contra a influência americana muito antes do conflito na Ucrânia se tornar popular.

Ele se mostrou um parceiro fundamental para Kiev durante a invasão russa de 2022, coordenando a entrega de veículos blindados, em seguida, mísseis de longo alcance e aviões de guerra franceses, ao mesmo tempo que mantinha os aliados europeus alinhados com a Ucrânia.

Nos primeiros momentos da ocupação, ele recebeu críticas por suas ações em relação a Putin – que mais tarde se mostraram ter sido solicitadas por Kiev. Porém, posteriormente, ele buscou confrontar Putin com firmeza, levantando a possibilidade de enviar tropas da Otan e consolidando o apoio irrestrito do Ocidente à Ucrânia.

Com a confiança em si mesmo (talvez arrogante) que caracteriza sua imagem, Macron fez alertas constantes sobre o perigo representado pela extrema direita.

"Não desejo fazer parte de uma geração de pessoas adormecidas, não quero pertencer a uma geração que negligenciou sua própria história ou que se recusa a enxergar os problemas do seu próprio tempo", declarou perante o Parlamento Europeu em 2018.

Por fim, depois de anos de progresso lento da corrente política mais radical, as eleições para o Parlamento Europeu de 2024 testemunharam a supremacia de um movimento da direita extrema sobre a política centrista.

Franca - Figure 5
Foto CNN Brasil

Assim como Marine Le Pen e seu aliado Jordan Bardella, do partido Rassemblement National, destacam, vários eleitores franceses - lidando com dificuldades econômicas e discursos anti-imigração - sentiram-se negligenciados ou não levados em consideração, aqueles que Macron havia mencionado em seu discurso de posse como "os homens e mulheres franceses que se sentem deixados de lado por esse amplo movimento global".

Muitos cidadãos franceses trabalhadores se sentiram desconsiderados e negligenciados em 2023, quando a revolta contra o aumento da idade de aposentadoria desencadeou meses de protestos. Foi uma situação complicada criada por Macron.

Solucionar o grave problema do financiamento das aposentadorias era uma proposta bem fundamentada teoricamente, porém muito mal recebida pela população. Acabou sendo implementada sem a aprovação dos parlamentares: o governo agindo por decreto.

Sem apoio majoritário no Parlamento em 2022 e abalado pela rejeição de suas ideias nas eleições europeias de 2024, ele depositou sua confiança no eleitorado da França.

"Para mim, é principalmente um gesto de confiança", declarou Macron ao convocar eleições parlamentares antecipadas, "na convicção de que o povo francês é capaz de fazer a escolha mais adequada".

Muitos na França ficaram se questionando o motivo. Entre os membros do partido de Macron no parlamento, houve "bastante perplexidade", conforme relatou um parlamentar à CNN. Enfrentando uma matemática parlamentar desfavorável, "isso iria acontecer de qualquer jeito", adicionou o legislador. "Acredito que o que tornou a situação mais difícil para mim em comparação com os outros foi que a pessoa que apertou o botão foi o presidente, então, obviamente, a culpa é dele".

O desfecho se transformou em uma votação a respeito do próprio Macron. Sua coalizão centrista, Ensemble, agora conta com 163 cadeiras, número significativamente inferior às 245 conquistadas em 2022, o que o coloca em uma posição de fragilidade tanto no cenário internacional quanto no interno.

A extrema direita declara que não representa uma ameaça à França. "Não somos perigosos, só causamos a perda de poder para Macron", disse Marine Le Pen à CNN na semana passada.

Existe um receio palpável da volta ao domínio da política de identidade em diversas regiões da atualmente rica, porém complexa, França. Com a extrema direita assumindo o poder legislativo - e mirando o Palácio do Eliseu em 2027 - a ameaça das vitórias do Rassemblement National vai muito além do ego de Macron.

Para muitas comunidades na França - sejam elas francesas ou imigrantes - o impacto da decisão de um homem e a incerteza de suas consequências terão um custo significativamente elevado.

Essa informação foi inicialmente produzida em língua inglesa.

Ler mais
Notícias semelhantes