Topics quentes fechar

São Gonçalo alerta: com Covid e gripe, máscara é fundamental

São Gonçalo registrou nos primeiros 17 dias de dezembro, um total de 20.669 casos de síndrome gripal nas unidades de saúde de urgência e emergência da cidade. O número é 184% maior do que os casos registrados em todo o mês de novembro, que somou

São Gonçalo registrou nos primeiros 17 dias de dezembro, um total de 20.669 casos de síndrome gripal nas unidades de saúde de urgência e emergência da cidade. O número é 184% maior do que os casos registrados em todo o mês de novembro, que somou 11.351 atendimentos. O crescimento mostra a importância de manter a utilização da máscara de proteção, distanciamento social e a higienização das mãos com regularidade.

O secretário municipal de Saúde e Defesa Civil de São Gonçalo, Dr. Gleison Rocha, orienta e pede para que a população continue usando a máscara e tomando todos os cuidados necessários em todos os locais, mas principalmente os fechados e com maior número de pessoas com a aproximação das festas neste fim de ano.

“A pandemia do coronavírus ainda não acabou. Apesar dos números estarem em constante queda, ela continua e existe uma nova cepa: a ômicron. E estamos tendo um aumento do número de casos de síndrome gripal. As duas doenças podem ser prevenidas com o uso de máscaras, distanciamento social e higienização das mãos com água e sabão. Quando não for possível, é aconselhável o uso do álcool em gel”, explicou o secretário.

Além dessas medidas, a importância da vacinação está comprovada. Nesta terça-feira (21), por exemplo, há 100% de disponibilidade de leitos para internações do coronavírus no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) nos três hospitais da cidade que recebem adultos com a doença. Isso quer dizer que não há pacientes internados em estado grave. E apenas uma pessoa está internada em leito de enfermaria.

“Coronavírus e gripe são duas doenças respiratórias e que podem ser prevenidas com as medidas restritivas de cuidado pessoal e vacinação. Por isso, é muito importante que os gonçalenses continuem se vacinando, tomando a segunda dose e a dose de reforço, que teve o tempo de intervalo diminuído para quatro meses. Vamos prestar atenção nas datas e procurar os pontos de vacinação”, finalizou o secretário.

Notícias semelhantes